Visit Us On TwitterVisit Us On FacebookVisit Us On LinkedinVisit Us On Instagram
Pharma InnovationRegulatóriosCom aval da Anvisa, novo canabidiol chega em julho às farmácias

Com aval da Anvisa, novo canabidiol chega em julho às farmácias

  • Written by:

Nunature é a segunda empresa a receber autorização para comercializar derivado da maconha no Brasil; no momento, apenas a Prati-Donaduzi opera nas prateleiras

O acesso ao canabidiol — derivado medicinal da maconha — deve ficar mais fácil para os consumidores brasileiros a partir de julho, com a entrada de uma nova marca nas farmácias.

Até abril, apenas a farmacêutica Prati-Donaduzzi tinha a autorização da Anvisa para produzir e comercializar o canabidiol dentro do país, mas a empresa Nunature, fundada por empresários americanos e brasileiros de olho no mercado que cresce no país, também recebeu o aval.

Desde dezembro de 2019, a Anvisa autoriza empresas a solicitarem a autorização para produzirem e comercializarem o derivado da maconha no Brasil. Com a única autorização que tinha, a Prati-Donaduzzi dominava o mercado.

Seu frasco com 6.000 mg de canabidiol isolado custa cerca de R$ 2.300. Com a entrada de um novo player, a tendência é de os preços caírem.

“O processo foi rigoroso e extensivo como deve ser e nós merecemos ele, porque exigiu bastante paciência e força. Nós fizemos isso porque nós sabemos o quão importante o Brasil é.  E o Brasil é agora um tipo de ponta de lança do mercado de cannabis. O Brasil chegou um pouco atrasado nessa “festa”, mas agora que vocês estão aqui, nós estamos felizes por ser aqueles que vão atender a campainha que vocês tocaram porque nosso canabidiol de full espectrum é único no mercado”, disse em entrevista à EXAME Christopher Cowart, vice-presidente de Sales & Marketing da empresa.

A permissão da Anvisa à Nunature inclui dois produtos, ambos com full spectrum (que mantém outras propriedades naturais da planta), considerado de qualidade superior ao canabidiol isolado da Prati-Donaduzzi.  Em nota enviada à EXAME, a empresa afirma que a preocupação em isolar somente o canabidiol é acontece com o  intuito de oferecer um “produto com a máxima segurança e eficácia terapêutica”.

“A maioria dos produtos é de matéria-prima isolada. São 2.000, 3.000 mg isoladas de canabidiol. Então, ele tem residuais de outros componentes de canabinoides, inclusive o THC, a níveis aceitáveis pela legislação. Por mais que a nossa concentração seja “baixa”, dentro dos estudos os efeitos terapêuticos são mais eficazes em relação ao isolado nas mesmas concentrações”, explica Jorge Felipe Lara, vice-presidente de Operações no Brasil.

A expectativa da Nunature é de que os preços de seu frasco de 1.000 mg (34,36mg/ml) custe R$ 840,00 e o de 500 mg (17,18 mg/ml) a R$ 520. Para fazer a distribuição, a empresa terá um centro na baixada fluminense, no Rio de Janeiro, e já tem contratos com rede Raia Drogasil. No futuro, pretende chegar a 60 mil farmácias.

“Já estamos bem adiantados com redes de farmácias e distribuidoras nacionais. Nós queremos usar o canal padrão de distribuição farmacêutica. Nosso produto é um produto que entra como “tarja preta”, então ele merece esse cuidado. Hoje já temos contrato com a Raia Drogasil, mas estamos em conversa com todas. A procura por parte do mercado farmacêutico tem sido muito grande”, explica Bruno Santanna, vice-presidente de Logística da Nunature no Brasil.

A Nunature é uma companhia que foi desenhada e construída para a oportunidade brasileira que surgiu com a permissão da Anvisa do fim de 2019, explica Christopher. A empresa tem uma fazenda de cânhamo (variedade da cannabis sem compostos psicoativos) no estado do Colorado de onde extrai o canabidiol.

Para receber o aval da Anvisa, todas as instalações técnicas do laboratório do estado do Colorado precisaram se adaptar a altos níveis de conformidade e demonstrar alta qualidade. Além disso, o produto chega 100% pronto ao Brasil.

Antes da permissão de dezembro de 2019, a única forma de consumir canabidiol no Brasil era via a importação individual, que é permitida desde 2015 e tem crescido como um outro mercado, à parte da entrada de farmacêuticas com canabidiol nas farmácias. Em 2020, essas importações foram facilitadas e diversos e-commerces, que operam de forma binacional, surgiram.

Como é considerado um produto controlado, o canabidiol comprado em farmácias precisa de receita médica. Já o importado individualmente precisa da receita médica e de uma autorização da Anvisa que é possível conseguir online.

Christopher Cowart explica que a empresa terá também uma proposta educativa, já que o assunto cannabis medicinal ainda é um tabu.

“Vamos fazer um processo educacional completo, assim como fizemos nos Estados Unidos. Todo mundo parece saber agora o que CDB é, mas eles não têm certeza de como funciona. Então nós queremos ajudar a trazer consciência sobre o que o sistema de cabinoides (derivados da cannabis) é. O que eles fazem e o que não fazem e ajudar a dissipar algumas desinformações que existem”, explica.

Além do Brasil, que entra agora neste mercado, o canabidiol é legalizado em mais de 40 países. Pesquisas têm mostrado que ele é eficaz em tratamentos de dores crônicas, espasmos musculares, convulsões e ansiedade.

O mercado global de cannabis medicinal está estimado em US$ 62,7 bilhões até 2024, que equivale a 60% do projetado para o mercado legal, que inclui o uso recreativo, segundo a Prohibition Partners.

No Brasil, projeções da New Frontier Data apontam que o potencial do mercado medicinal é de geração de 4,7 bilhões de reais de receita.

Para Vivi Sedola, fundadora da Dr. Cannabis, marketplace que reúne médicos, e-commerces e pacientes, as notícias são animadoras.

“A chegada de mais produtos nas farmácias é uma ótima notícia para o mercado e, principalmente, para os pacientes. Enquanto não tivermos disponíveis as diversas variedades de produtos que os pacientes precisam, o sistema de importação excepcional deve coexistir com as drogarias”.

Além da Prati-Donaduzzi e da Nunature, que já conseguiram o aval da Anvisa, outras marcas estão na fila da autorização para conseguir operar nas prateleiras das farmácias brasileiras, como as farmacêuticas Belcher, Verdemed e Nunesfarma.

O próximo passo, esperado por empresas que desejam operar de forma mais integral no mercado de cannabis, é ter a autorização para plantar a matéria-prima no país. O projeto de lei já recebeu parecer favorável na Câmara.

 

 

 

 

 

 

Fonte: Exame 10.05.2021

Comments are closed.

Parceiros