Chemyunion PHI 0820
Visit Us On TwitterVisit Us On FacebookVisit Us On LinkedinVisit Us On Instagram
Pharma InnovationMedicamentos RegulatóriosAnvisa aprova antidepressivo inalável indicado para casos de depressão

Anvisa aprova antidepressivo inalável indicado para casos de depressão

  • Written by:

Aplicação só deve ser feita sob supervisão médica em clínicas e hospitais

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou, nesta terça-feira (3), o cloridrato de escetamina, um antidepressivo na forma de spray inalável indicado para adultos com depressão resistente a tratamentos convencionais e para pessoas com transtorno depressivo maior (TDM) que tenham pensamentos ou atos suicidas.

O novo medicamento, segundo a Anvisa, deverá ser administrado exclusivamente em um hospital ou uma clínica especializada e na presença de um profissional da saúde. O remédio tem como base a escetamina (ou esketamina). O princípio ativo tem relação com a cetamina (ou ketamina), um medicamento usado para anestesias.

O laboratório Janssen, que produz o novo antidepressivo, diz que o medicamente é capaz de produzir efeito pouco tempo após a aplicação.

O remédio é apresentado como o primeiro a agir sobre o glutamato, molécula da rede neural, estimulando áreas do cérebro ligadas às emoções, enquanto os antidepressivos tradicionais atuam aumentando a quantidade de neurotransmissores relacionados à sensação de prazer e bem-estar.

Liberado nos EUA

Nos Estados Unidos, a escetamina inalável está liberada desde março de 2019 e foi considerada uma revolução no tratamento da depressão resistente. O medicamento também é administrado somente sob acompanhamento médico.

À época em que os EUA liberaram o uso do remédio, o médico Pierre de Maricourt, que participou dos testes clínicos de fase 3 no hospital Sainte-Anne de Paris, destacou em entrevista à Agência France Presse a “significativa efetividade e a velocidade de ação da escetamina”.

Maricourt citou que o medicamente age “em poucos dias” enquanto é preciso “de seis a oito semanas para um antidepressivo convencional”.

Depressão resistente

Um terço dos pacientes de depressão não apresentam melhora mesmo após mais de um tratamento com os antidepressivos e terapias disponíveis, segundo a Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP).

A ciência ainda não conhece totalmente as causas da depressão resistente – assim como as da própria depressão.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), quase 300 milhões de pessoas sofrem de depressão, uma doença que limita a capacidade de uma vida cotidiana normal, mas que tem sua gravidade frequentemente subestimada ou confundida com uma depressão passageira. Os casos mais graves podem levar ao suicídio.

 

 

 

 

 

 

Fonte: Globo G1 03.11.2020

Comments are closed.

Parceiros