Grace Mai/21
Visit Us On TwitterVisit Us On FacebookVisit Us On LinkedinVisit Us On Instagram
Pharma InnovationMedicamentosNova terapia oral para câncer de ovário já está disponível no Brasil

Nova terapia oral para câncer de ovário já está disponível no Brasil

  • Written by:

Zejula, recém-lançado pela farmacêutica GSK, reduz em até 73% o risco de progressão da doença ou óbito, proporcionando às pacientes maior expectativa e qualidade de vida1,2 

Com sintomas silenciosos, o tumor de ovário é o mais letal dos cânceres ginecológicos, e, diferentemente de outros tipos de câncer, não possui um exame específico de rastreamento, fatores que preocupam, já que 75% dos casos ainda são diagnosticados tardiamente3,4. A cirurgia de retirada do tumor e a quimioterapia sempre foram as principais opções de tratamento para este tipo de neoplasia, mas o Zejula (niraparibe) chega como opção transformadora, que muda paradigmas no controle da doença3.

Já aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Zejula é uma nova terapia oral de manutenção do tratamento do câncer de ovário e é indicado para pacientes recém-diagnosticadas ou nas quais a doença retornou, que fizeram quimioterapia à base de platina e tiveram resposta completa ou parcial a esta terapia5. Com eficácia e segurança respaldadas por dois importantes estudos clínicos publicados no The New England Journal of Medicine: o PRIMA e o NOVA, em 2019 e 2016, respectivamente, o medicamento traz perspectivas otimistas de manejo do tumor de ovário1,2.

Segundo resultados do PRIMA, estudo realizado em pacientes recém-diagnosticadas com câncer de ovário, o medicamento apontou redução de 38% do risco de progressão da doença ou morte na população geral, e 60% na população com mutação no gene BRCA6; já no NOVA, estudo realizado com pacientes que apresentaram doença recorrente, houve a redução de risco de progressão ou morte de 73% nas pacientes com mutação no gene BRCA, e de 55% nas pacientes sem essa mutação1,2. Ao inibir e bloquear as enzimas PARP, Zejula leva as células cancerígenas à morte, evitando que elas consigam se autorreparar.

“Como 85% dos casos em estágio avançado do câncer de ovário apresentam recidiva, este tipo de terapia de manutenção do tratamento traz esperança, na medida em que muda o manejo da condição, permitindo que as mulheres sigam com as suas vidas, voltem a ser ativas, e encarem a enfermidade como uma doença crônica, manejável”, esclarece o oncologista Fernando Maluf, presidente do Instituto Vencer o Câncer (IVOC).

Para a oncologista clínica e diretora médica de Oncologia da GSK, Dra. Vanessa Fabricio, “esse tipo de terapia-alvo é eficaz como manutenção do tratamento de câncer de ovário, pois posterga a recidiva, aumentando a qualidade de vida das pacientes. Além disso, o fato de ser um medicamento de uso oral com dose única diária é outra vantagem, pois evita a necessidade de deslocamento até o hospital, aumentando a adesão ao tratamento”.

Mudando a vida do paciente com câncer 

O Zejula (niraparibe) marca uma nova era na história da GSK, que vem expandido seu portfólio em Oncologia com o objetivo de trazer aos pacientes opções terapêuticas transformacionais baseadas na inovação e na tecnologia. Além do câncer de ovário, são esperados para os próximos anos novos produtos para o tratamento do câncer de endométrio, mieloma múltiplo, pulmão e cabeça e pescoço, entre outros.

A farmacêutica britânica aposta no Brasil e direciona recursos para promover pesquisas e desenvolvimento em território nacional. São oito estudos clínicos envolvendo mais de 50 centros de pesquisa e 140 participantes, além de dois programas de acesso expandido.

Segundo Deborah Soares, diretora de Oncologia da GSK, a companhia está empenhada em desenvolver tecnologias para suprir necessidades ainda não atendidas dos pacientes oncológicos: “acreditamos no poder da ciência para transformar vidas”.

 

 

 

 

 

 

Fonte: Pfarma 30.08.2021

Comments are closed.

Parceiros