Visit Us On TwitterVisit Us On FacebookVisit Us On LinkedinVisit Us On Instagram
Pharma InnovationInteligência de MercadoClubhouse: tudo sobre a rede social queridinha da vez

Clubhouse: tudo sobre a rede social queridinha da vez

  • Written by:

Exclusiva para convidados, a Clubhouse é uma rede social para conversas por áudio, onde os participantes circulam por salas virtuais discutindo arte e cultura, de programas de TV populares ao estado da indústria musical. Drake, Jared Leto e Jodie Turner-Smith são alguns dos membros

Ouvi falar do Clubhouse pela primeira vez no “boca a boca”. Em uma sexta-feira, algumas semanas atrás, me sentindo exausta após tanto entrar no Zoom e ansiando por um fim de semana que se estendesse além das compras de supermercado e da maratona de Euphoria, um amigo me mandou uma mensagem no WhatsApp perguntando se eu tinha um convite para entrar no novo aplicativo de áudio, descrito em seu site como “um novo tipo de produto social baseado na voz”.

Eu não tinha, e com medo de chegar atrasada ao hype, comecei imediatamente a investigação, já com o FOMO me consumindo (eu precisava baixar a última tendência tecnológica que poderia simultaneamente suprimir meu tédio e matar minha sede por uma aparência de ‘normalidade’ na pandemia!). Fiquei desapontada ao receber uma mensagem informando que estava na lista de espera virtual. Frustrantemente, você não consegue ver nada sobre o aplicativo, a menos que seja convidado a participar – ou caso você seja uma celebridade, como Drake, Ashton Kutcher ou Virgil Abloh.

Depois de finalmente consegui um convite de um amigo, minha primeira parada foi explorar as salas. O app aparece em seu telefone como qualquer outro aplicativo e, uma vez que você está dentro, o Clubhouse parece caótico e emocionante. Você é saudado com uma página inicial bem simples que lista as discussões que estão acontecendo naquele momento, bem como os chats agendados para mais tarde.

Seu algoritmo corresponde tanto à sua agenda quanto a quem você escolhe seguir – então, dependendo de sua área de trabalho / interesse / amigos, você verá salas de bate-papo oferecendo palestras sobre música, cinema, cultura, raça, tecnologia e beleza. Fiquei instantaneamente fisgada: nomes de celebridades que normalmente estavam fora de alcance de repente surgiram a um clique de distância. As palestras agendadas do painel estavam sendo colocadas em fila no meu feed e outros colegas estavam virtualmente moderando as salas.

A primeira sala que entrei foi uma discussão sobre a emergente rapper americana Mulatto e seu nome controverso (historicamente, um termo racista usado para descrever aqueles com ascendência mestiça). O debate ficou bastante acalorado e então, saindo silenciosamente, comecei a pular de uma sala cibernética para outra. Durante o fim de semana, eu me concentrei em discussões animadas sobre tudo, desde mulheres na música até fãs de Harry Potter – depois de 48 horas, o vício e o fascínio do Clubhouse estavam claros.

As conversas em salas virtuais de Kevin Hart, Drake e Tiffany Haddish se mostraram tão populares que apareceram regularmente nos TTs do Twitter e debates em salas parecem estar chamando a atenção das pessoas no Instagram também. Em breve a rede social se tornará acessível a todos (o app do Clubhouse afirma “ainda estamos em uma versão beta privada, mas estamos trabalhando muito para abrir as coisas em breve”). A seguir, tudo o que você precisa saber sobre o aplicativo.

Que tipo de conversas estão ocorrendo no Clubhouse?

Uma série estonteante de conversas ao vivo no estilo podcast, painéis de discussão, oportunidades de networking (algumas pessoas experientes já estão trocando ‘influenciador’ por ‘moderador’) e o uso vantajoso de várias salas (opções bloqueadas e privadas estão disponíveis para que você possa falar com amigos também), o aplicativo imita as interações da vida real.

Lançado em abril de 2020, o Clubhouse foi avaliado em cerca de US $ 100 milhões (£ 75 milhões). Gravar qualquer conversa é estritamente proibido, o que significa que seus encontros com membros VIP ou conversas em geral estão protegidos.

Quem criou o aplicativo Clubhouse?

Desenvolvido pelo empresário do Vale do Silício Paul Davison e pelo ex-funcionário do Google Rohan Seth, o aplicativo recebeu aproximadamente US $ 12 milhões em financiamento da firma de capital norte-americana Andreessen Horowitz em maio de 2020 e continuou a crescer. Embora o aplicativo só possa hospedar usuários do iPhone por enquanto, sua expansão é iminente (em maio de 2020, ele tinha 3.500 usuários – podemos supor que é muito maior hoje).

O aplicativo está se tornando cada vez mais popular

Desde o lançamento e durante as novas medidas de bloqueio em todo o mundo, sua popularidade aumentou dez vezes. Mas, como muitos novos aplicativos, não deixa de ter seus problemas, diz a PR de beleza Eki Igbinoba, de 24 anos, que está no aplicativo há um mês. “É ótimo para networking e discussões informais sobre indústrias criativas, mas tenho medo de que ideias sejam roubadas de moderadores menos conhecidos”, disse ela à Vogue por telefone.

É quase como ver seus amigos na vida real

É fácil mudar de ‘sala’ para ‘sala’, participando de discussões no palco virtual, uma vez permitido pelos moderadores (você pede para falar pressionando o emoji de ‘mão levantada’). Pense no Clubhouse como um painel. Os tópicos variam de cultura de influenciador a raça e feminismo a salas de bate-papo desmascarando mitos sobre fazer 30 anos. Depois de ter um grupo unido no aplicativo, você está livre para criar salas privadas para liderar seu catch-up semanal ou fingir que está em um pub em uma típica noite de sexta-feira (pré-Covid).

Drake e Oprah Winfrey estão por ali

As celebridades estão se inscrevendo em massa. Sua relativa privacidade é uma grande vantagem para os membros VIP que podem falar livremente sem medo de que suas palavras acabem no TMZ. Espere ouvir de superstars como Drake, Tiffany Haddish, Jared Leto, Ashton Kutcher e Chris Rock.

Controvérsia recente

O Clubhouse recebeu algumas reações contra a suposta leniência com os protocolos de assédio e a falha em moderar as salas de maneira adequada. A redatora do New York Times, Taylor Lorenz, denunciou publicamente a plataforma de bate-papo quando ela se viu em um ponto de discussão em uma das salas.

Em 1 de outubro, o Clubhouse divulgou uma declaração condenando o racismo, o anti-semitismo, o discurso de ódio e os abusos, e seguiu com uma lista de diretrizes e regras que pretende implementar. Isso inclui permitir que moderadores bloqueiem, denunciem e silenciem salas internas e investiguem violações imediatamente.

Clubhouse é semi-exclusivo … por enquanto

Os usuários do iPhone podem baixar o aplicativo da loja da Apple e reservar um nome de usuário. No entanto, como ainda está em teste beta, sua exclusividade significa que você será adicionado à lista de espera, a menos que receba um convite de um amigo ou colega. Cada pessoa pode convidar um punhado de amigos assim que sua inscrição for aceita. Interessou? Fique tranquilo, o Clubhouse diz que será aberto para o público em breve.

 

 

 

 

 

 

Fonte: Vogue Globo 03.02.2021

Comments are closed.

Parceiros